domingo, 31 de janeiro de 2010

Harmonia - Conjunto Português de Harmonicas em França (2)

Em Maio de 1995, o Harmonia recebeu outro convite para actuar em França, desta vez em Privas. Lá foram fazer a sua apresentação e, qual não foi o seu espanto, quando a organização fez questão de que tocassem também, nas famosas grutas de Aven d'Orgnac. Honrados com a distinção concedida, assim o fizeram, e é um momento dessa actuação memorável, que a foto retrata.

sábado, 30 de janeiro de 2010

Postais

Mais dois bonitos postais.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Trio Harmonia - Teatro Monumental

Em Julho de 1964, o Trio Harmonia integrou um grande elenco, que se apresentou nos palcos do Teatro Monumental, ali ao Saldanha. Dessa companhia, composta com alguns dos maiores nomes da altura, fazia parte um homem extraordinário; Maximiliano de Sousa, conhecido popularmente por Max. Esse artista  que não sabia uma nota de música, mas que tinha um talento e uma sensibilidade enormes para compor, ofereceu ao Trio Harmonia, uma bela melodia, que o trio arranjou e apresentou creio eu, ainda nesse espectáculo: "Romance Cigano" .

Quinteto Português de Harmonicas

 Aqui estão mais duas fotos do Quinteto Português de Harmónicas. Uma dessas fotos apresenta o grupo em 1955, ensaiando sob a direcção do prof. Siegfried Sugg. A outra numa sua apresentação em 7 Abril 1962.
.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Harmonia - Conjunto Português de Harmonicas em França


Eis o Harmonia - Conjunto Português de Harmonicas em Chelles - França 1994, para participar como grupo convidado, num certame de harmónica promovido pelo C.F.H. - Club Français de l'Harmonica. Preparámos para esse acontecimento, numa homenagem a Edith Piaf , bem como aos  amigos franceses  que nos tinham honrado com o seu convite, a célebre composição de Angel Cabral, que Piaf imortalizou como  "La Foule".

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Lisboa é uma aguarela - Grande Marcha de Lisboa 1988

Eu bem avisei que falaria do que me apetecesse...


Postais

Dois bonitos postais da Hohner (há mais, há mais...) que me foram oferecidos pelo prof. Siegfried Sugg cerca de 1957 e que, dizem mais ou menos isto ( para os que não sabem alemão ) "soa tão bem (bonito) na Hohner" e "então a Hohner acompanhava-me", frases bem ingénuas comparando com a publicidade agressiva de agora.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Manos Alexandres

Manos Alexandres - Portugal (1)
Começo por vos fazer uma pequena apresentação dos "Manos Alexandres" (Alexandre Afonso e Fernando Santos), que tanto quanto sei, foram o primeiro grupo português de harmónicas, a alcançar algum prestigio dentro e fora do nosso país.
Senhores de grandes simpatias por onde passavam, graças principalmente ao bom humor do Alexandre, sempre pronto a contar uma boa anedota, e ao virtuosismo do Fernando nas "diatónicas", este grupo manteve-se como duo de 1935 a 1954. Com a vinda do prof. Siegfried Sugg para Portugal, o grupo amplia-se, e ainda mais quando em seguida se lhes junta, vindo também da Alemanha, o prof. Thillo Krassman. Com esta formação mantém-se em actividade até 1960, altura da sua retirada da cena artística, e aparecimento de novos conjuntos de harmónica em Portugal. Passemos a palavra ao saudoso Alex:

domingo, 24 de janeiro de 2010

Trio Harmonia - Moscovo e Vilnius 1977

Dois documentos que referenciam a passagem do Trio Harmonia, em Maio de 1977, pela (então) URSS. O recorte de um jornal lituano pondo em evidencia o trio, e uma foto tirada na Praça Vermelha em Moscovo.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Harmonia - Conjunto Português de Harmónicas

Nos finais de 1981, por razões que não vem ao caso, o Trio Harmonia suspende a sua actividade. Resolvem então dois dos seus elementos (José Correia e Hermenegildo Mendes) reactivar um antigo grupo - o Quinteto Português de Harmónicas. Para isso contactam três dos seus amigos (Carlos Pais, António Vicente e José Peralta) que tinham feito parte desse conjunto e pertencido ao trio, em  diversas fases da vida deste , (com excepção de um deles) e partem para uma nova aventura no mundo das harmónicas. Por sugestão da editora discográfica, quando em 1987 gravam uma cassete, mudam o nome para Quinteto Harmonia - Conjunto Português de Harmónicas, com toda a legitimidade, advinda do facto de quatro dos elementos terem pertencido tanto ao trio, como ao quinteto. Em 1994, José Peralta retira-se do grupo enveredando por uma outra carreira musical e, os outros quatro elementos reformam o nome do grupo para Harmonia - Conjunto Português de Harmónicas, designação com que ainda hoje se apresentam em público. Aqui vos trazemos as capas dos albuns que gravaram:  Cass.0834 - Quinteto Harmonia  "Um conjunto de campeões do mundo" (1987), LP 172 Y e Cass.097-I  - "Tocam êxitos portugueses" (1987) , LP 177 A - "12 grandes marchas das festas populares" (1988) acompanhando a cantora Alexandra Cruz, o que tanto quanto sabemos é inédito no nosso país, e até muito raro no estrangeiro. Três composições de Hermenegildo Mendes fazem parte desse album, entre elas a Grande Marcha de Lisboa de 1988 "Lisboa é uma aguarela"- 1º prémio das Grandes Marchas de Lisboa. Dessa obra, o quinteto gravou ainda uma versão instrumental, que por razões desconhecidas não veio a ser editada comercialmente. O grupo já com a nova designação de Harmonia - Conjunto Português de Harmónicas, veio ainda a gravar um CD em 2000 - "Contraste",  (que também não foi editado comercialmente), e que inclui gravações das suas fases tanto de quinteto, como de quarteto.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Trio Harmonia - 1.as Fotos


Eis as primeiras fotografias "oficiais" do Trio Harmonia, respectivamente em 1958, quando davam os primeiros passos na sua carreira artística, e numa outra tirada nos finais de 1961, altura em que participaram num concurso organizado pela revista Rádio Televisão - e que lhes veio proporcionar a sua entrada para o elenco da Emissora Nacional - (talvez um dia falemos disso). Nas fotos: Raúl Mendes, solo - José Peralta, baixo - Hermenegildo Mendes, acordes.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Saudações

Quero hoje trazer-vos aqui, algumas explicações sobre os objectivos deste blogue, que talvez devessem ter sido feitas quando o iniciámos. Para que não haja confusões esclareço que, nunca foi minha intenção nem tenho pretensões a tal, fazer a história da harmónica em Portugal. E isto porque entre outras coisas, seriam precisos arte, talento, e conhecimentos que eu não tenho. Assim, o que eu vos posso oferecer, são alguns episódios, fotografias e/ou outros documentos, que retratam certos acontecimentos em determinadas épocas, sem qualquer sequência ou ordem cronológica. Para isso conto com a ajuda preciosa de alguns amigos, bem como de um baú de recordações, reunido ao longo de cinquenta anos. Isto independentemente de, como é divisa deste blogue, "falarmos do que nos apetecer, quando nos apetecer e se nos apetecer". Para aqueles que se interessam por estas coisas das "gaitas de beiços", "flaitas", "realejos" e outros quejandos, fica a promessa de que tentaremos ser o mais fieis possível ao relato desses acontecimentos. A imagem que ilustra esta postagem, é  de um postal que retrata o Harmonikamuseum Trossingen em 1898, e que envia saudações de Trossingen.
Eu envio-vos as minhas.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Trio Monte Branco

Em 1956, algum tempo depois da sua entrada para a Orquestra de Harmónicas da Ala de Lisboa, dois desses jovens pertencentes à dita orquestra (José Alberto e Hermenegildo Mendes), resolvem formar um trio. Assim convidam um outro amigo não pertencente à orquestra, mas com um talento especial para fazer "acompanhamento" (Nelson Gouveia). Surge assim o Trio Monte Branco, de existência fugaz, mas que chegou a gravar um 78 rotações (exemplar único), com o "Corridinho de Alenquer"  num dos lados e no outro a "Marcha Ribatejana". Essas gravações, e respectiva feitura do exemplar, foram feitas nos estúdios da Rádio Graça, e bom dinheiro custaram na altura ao José Alberto, que quis por força oferecer essa prenda ao pai, no seu aniversário. Não existe foto do grupo, mas existe o emblema que orgulhosamente prendiam ao casaco com alfinetes, para as suas actuações. Fica a recordação desses verdes anos.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Os Mindagos/Orquestra de Harmónicas de Ponte de Sor

Hoje trago-vos duas fotografias, que marcam duas épocas distintas na história da harmónica em Portugal. Em 1942, é fundada uma orquestra de harmónicas em Ponte de Sor, que toma o nome de Os Mindagos e mantém em actividade até que, tendo ao que parece a actividade artística diminuído fortemente, resolve dar por terminada essa função. Em 1977, alguns dos antigos elementos dessa orquestra, a que se juntaram novos executantes, resolvem reactivar a dita orquestra mantendo a mesma designação, que no entanto por vontade expressa dos seus elementos, viria a tomar o nome que mantém ainda nos dias que correm - Orquestra de Harmónicas de Ponte de Sor.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Orquestra Aldrabófona


Orquestra Aldrabófona - Portugal  1935
 Lá fui descobrir no baú das velharias, uma foto da Orquestra Aldrabófona
datada de 1935. Nela se podem reconhecer os "Manos Alexandres" 
 - Fernando Santos (Menan) e Alexandre Afonso (Alex).

O nosso amigo José Peralta, enviou-nos mais estes apontamentos que agradecemos